Juiz acata pedido de CPI e bloqueia bens da JBS no Estado

05/10/2017

dsc08812_1


O Juiz Alexandre Antunes da Silva, da 1ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos de Mato Grosso do Sul acatou hoje o pedido de bloqueio de bens da JBS, no valor de R$ 115.925.515,69, movido pela CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) das Irregularidades Fiscais e Tributárias.


A decisão foi anunciada pelo presidente da Comissão, deputado Paulo Corrêa, acompanhado pelo presidente da Assembleia, deputado Junior Mochi, e pelo advogado da CPI, Luiz Henrique Volpe Camargo, durante entrevista coletiva realizada na Casa de Leis na tarde desta quinta-feira (05).


O pedido de liminar de tutela cautelar antecedente foi impetrado na semana passada e refere-se ao TARE (Termo de Ajuste de Regime Especial) 1103/2017, firmado na gestão do governador Reinaldo Azambuja, no valor de R$ 285 milhões e concessão de R$ 99, 75 milhões em incentivos fiscais à JBS em troca de investimentos em máquinas e equipamentos. A CPI considerou que os TAREs não foram cumpridos em função de que  identificou 93% de notas inidôneas.


Durante a coletiva Paulo Corrêa explicou que o bloqueio é uma garantia para que o Estado possa recuperar o valor referente aos incentivos concedidos à empresa, já que no o acordo de leniência homologado em agosto com a Procuradoria Geral da República, no valor de R$ 10,3 bilhões, não há previsão de ressarcimento aos estados que sofreram prejuízos com as ações da empresa.


“Esse bloqueio de bens foi uma grata surpresa. Queremos comemorar esta vitória. É uma medida que garante ao nosso estado a devolução do valor apurado”, afirmou.


Paulo Corrêa disse ainda nesta semana a CPI deve entrar com um novo pedido de bloqueio de bens para garantir a devolução de mais 615 milhões referentes aos outros quatro TARE’s assinados entre a JBS e Mato Grosso do Sul, nos governos André Puccinelli, para saída de gado em pé do Estado. Nos quatro Termos a empresa se comprometeu a aumentar o abate e o número de vagas de emprego, o que também não foi cumprido. Outra irregularidade apurada pela CPI neste TAREs, foi a repetição de notas fiscais, que chegou a ser de 40% do total apresentado pela empresa.


“Amanhã vamos entrar com a outra ação de solicitação de bloqueio. Fizemos as ações separadamente porque são dois assuntos diferentes. O primeiro Tare se referia a investimento no estado e esses outros são de saída de boi em pé”, explicou. 


O pedido de bloqueio deferido hoje prevê a indisponibilização dos recursos da JBS encontrados nos bancos, por meio do BACENJUD, que é um sistema de comunicação eletrônica entre o Poder Judiciário e as instituições financeiras, por intermédio do Banco Central, com transferência do valor bloqueado para a conta única de depósitos judiciais do Poder Judiciário de Mato Grosso do Sul.


A decisão prevê também bloqueio de oito imóveis de propriedade da JBS em MS. Com isso, os imóveis não podem ser vendidos ou alienados. No entanto, a decisão não interfere nas atividades operacionais das unidades.


Agora, o prazo para a CPI ou o Estado apresentar a ação principal é de 60 dias e o processo deverá transitar em segredo de justiça por conter informações protegidas por sigilo fiscal.


O advogado Luiz Henrique Volpe Camargo explicou que a decisão da CPI de entrar com a ação, antes mesmo de finalizar o relatório, é fundamental para que no futuro o Estado consiga reaver os valores dos incentivos concedidos à JBS, já que impede a empresa de fazer qualquer negociação envolvendo os imóveis bloqueados.
“Se a CPI não tivesse tomado essa medida emergencial poderia ser que daqui a dois ou três meses essa empresa já não tivesse mais patrimônio suficientes para responder por essa dívida”, explicou.

Relatório Final


O relator da CPI, deputado Flávio Kayat afirmou que relatório final deve ser entregue no próximo dia 27 de outubro e votado pelos membros uma semana depois.
Após a votação o relatório será enviado ao Ministério Público e à CPMI (Comissão Parlamentar Mista de Inquérito), do Congresso Nacional, com qual a CPI Estadual firmou termo de cooperação.

Texto: Edilene Borges


Notícias Relacionadas


Educação

Campo Grande

12/07/2018

Status da Obra:


Aparelho de ar condicionado na Escola Estadual Padre José Scampini

O deputado Paulo Corrêa viabilizou junto ao Sesi a doação de 20 aparelhos de ar condicionado para serem instalados na Escola Estadual Padre José Scampini, localizada no bairro Coophavila II, em Campo Grande. 



Educação

Campo Grande

12/07/2018

Status da Obra:


Aparelho de ar condicionado na Escola Estadual Maria Eliza Bocayuva

O depuputado Paulo Corrêa viabilizou junto ao Sesi a doação de 17 aparelho de ar condicionado para serem instalados nas salas de aulada Escola Estadual Maria Eliza Bocayuva Corrêa da Costa, na vila Margarida, em Campo Grande. 



Infraestrutura

Figueirão

07/07/2018

Status da Obra:


Manutenção da rodovia MS-436

Paulo Corrêa solicitou ao Governo do Estado a manutenção da MS-436 entre os Municípios de Alcinópolis e Figueirão.



Infraestrutura

Naviraí

21/06/2018

Status da Obra:


Ponte de Concreto sobre o Rio Tejuí

O deputado Paulo Corrêa solicitou ao governo do Estado, por meio de indicação apresentada na Assembleia, a construção de uma ponte em concreto sobre o Rio Tejuí, com extensão de 18 metros por 6,50 metros de largura e 5 metros de lâmina d'água, no município de Naviraí.

 



Infraestrutura

Naviraí

21/06/2018

Status da Obra:


Cedência do pátio e do barracão da oficina da 7ª RR

Paulo Corrêa solicitou ao governo do Estado, por meio de indicação apresentada na Assembleia, a cedência de parte do pátio e do barracão da oficina da 7ª RR - Agência Regional de Naviraí, com o objetivo de ser utilizado pela administração municipal, para estacionamento e manutenção da frota municipal referente ao transporte escolar.


Paulo Corrêa Nas redes sociais

Siga o Deputado nas redes sociais e acompanhe o ele está fazendo pelo desenvolvimento do nosso Mato Grosso do Sul